• RESTAURO5
  • banner dizimo

 

CATEQUESE

Praça São Pedro – Vaticano
Quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Boletim da Santa Sé

Boletim da Santa Sé
Tradução: Jéssica Marçal

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

Nas audiências gerais sempre há muitas pessoas ou grupos pertencentes a outras religiões; mas hoje essa presença é de tudo particular, para recordar juntos o 50º aniversário da Declaração do Concílio Vaticano II Nostra aetate, sobre as relações da Igreja católica com as religiões não cristãs. Este tema estava fortemente no coração do beato Papa Paulo VI, que já na festa de Pentecostes do ano precedente ao fim do Concílio tinha instituído o Secretariado para os não cristãs, hoje Pontifício Conselho para o Diálogo Inter-religioso. Exprimo por isso a minha gratidão e as minhas calorosas boas vindas a pessoas e grupos de diversas religiões, que hoje quiseram estar presentes, especialmente aos que vieram de longe.

O Concílio Vaticano II foi um tempo extraordinário de reflexão, diálogo e oração para renovar o olhar da Igreja católica sobre si mesma e sobre o mundo. Uma leitura dos sinais dos tempos em vista de uma atualização orientada por uma dupla fidelidade: fidelidade à tradição eclesial e fidelidade à história dos homens e das mulheres do nosso tempo. De fato, Deus, que se revelou na criação e na história, que falou por meio dos profetas e totalmente no seu Filho feito homem (cfr Eb 1, 1) se dirige ao coração e ao espírito de todo ser humano, que busca a verdade e os meios de praticá-la.

A mensagem da Declaração Nostra aetate é sempre atual. Retomamos brevemente alguns pontos:
– a crescente inter-dependência dos povos (cfr n.1);
– a busca humana de um sentido da vida, do sofrimento, da morte, interrogações que sempre acompanham o nosso caminho (cfr n.1);
– a comum origem e o comum destino da humanidade (cfr n.1);
– a unicidade da família humana (cfr n. 1);
– as religiões como busca de Deus e do Absoluto, dentro das várias etnias e culturas (cfr n. 1);
– o olhar benevolente e atento da Igreja sobre religiões: essa não rejeita nada nelas que é de belo e verdadeiro (cfr n. 2);
– a Igreja olha com estima os crentes de todas as religiões, apreciando o seu empenho espiritual e moral (cfr n. 3);
– a Igreja, aberta ao diálogo com todos, é ao mesmo tempo fiel à verdade em que acredita, a começar por aquela de que a salvação oferecida a todos tem a sua origem em Jesus, único salvador e que o Espírito Santo está em ação, como fonte de paz e amor.

São tantos os eventos, as iniciativas, as relações institucionais ou pessoais com as religiões não cristãs destes últimos 50 anos que é difícil recordar todos. Um acontecimento particularmente significativo foi o Encontro de Assis em 27 de outubro de 1986. Esse foi desejado e promovido por São João Paulo II, que um ano antes, então há 30 anos, dirigindo-se aos jovens muçulmanos em Casablanca desejava que todos os crentes em Deus favorecessem a amizade e a união entre os homens e os povos (19 de agosto de 1985). A chama, acesa por Assis, estendeu-se em todo o mundo e constitui um permanente sinal de esperança.

Uma especial gratidão a Deus merece a verdade e a própria transformação que teve nesses 50 anos a relação entre cristãos e judeus. Indiferença e oposição se transformaram em colaboração e benevolência. De inimigos e estranhos, nos tornamos amigos e irmãos. O Concílio, com a Declaração Nostra aetate, traçou o caminho: “sim” à redescoberta das raízes judaicas do cristianismo; “não” a toda forma de antissemitismo e condenação de toda injúria, discriminação e perseguição que delas derivam. O conhecimento, o respeito e a estima mútua constituem o caminho que, se vale de modo peculiar para a relação com os judeus, vale analogamente também para as relações com as outras religiões. Penso em particular nos muçulmanos, que – como recorda o Concílio – “adoram o Deus único, vivo e subsistente, misericordioso e onipotente, criador do céu e da terra, que falou aos homens” (Nostra aetate, 5). Esses se referem à paternidade de Abraão, veneram Jesus como profeta, honram a sua Mãe virgem, Maria, esperam o dia do julgamento e praticam a oração, a esmola e o jejum (cfr ibid).

O diálogo do qual precisamos não pode ser nada a não ser aberto e respeitoso, e então se revela frutuoso. O respeito recíproco é condição e, ao mesmo tempo, finalidade do diálogo inter-religioso: respeitar o direito dos outros à vida, à integridade física, às liberdades fundamentais, isso é, liberdade de consciência, de pensamento, de expressão e de religião.

O mundo olha para nós crentes, convida-nos a colaborar entre nós e com os homens e as mulheres de boa vontade que não professam religião alguma, pede-nos respostas efetivas sobre numerosos temas: a paz, a fome, a miséria que aflige milhões de pessoas, a crise ambiental, a violência, em particular aquela cometida em nome da religião, a corrupção, a degradação moral, as crises da família, da economia, das finanças e, sobretudo, da esperança. Nós crentes não temos receitas para esses problemas, mas temos um grande recurso: a oração. E nós crentes rezamos. Devemos rezar. A oração é o nosso tesouro, à qual chegamos segundo as respectivas tradições, para pedir os dons que a humanidade anseia.

Por causa da violência e do terrorismo, difundiu-se uma atitude de suspeita e até mesmo de condenação das religiões. Na verdade, embora nenhuma religião esteja imune do risco de desvios fundamentalistas ou extremistas em indivíduos ou grupos (cfr Discurso ao Congresso dos EUA, 24 de setembro de 2015), é necessário olhar para os valores positivos que elas vivem e propagam e que são fonte de esperança. Trata-se de elevar o olhar para ir além. O diálogo baseado no confiante respeito pode levar a sementes de bem que, por sua vez, se tornam brotos de amizade e de colaboração em tantos campos e, sobretudo, no serviço aos pobres, aos pequenos, aos idosos, no acolhimento aos migrantes, na atenção a quem está excluído. Podemos caminhar juntos cuidando uns dos outros e da criação. Todos os crentes, de todas as religiões. Juntos podemos louvar ao Criador por ter nos dado o jardim do mundo para cultivar e proteger como um bem comum e podemos realizar projetos partilhados para combater a pobreza e assegurar a cada homem e mulher condições de vida digna.

O Jubileu Extraordinário da Misericórdia, que está diante de nós, é uma ocasião propícia para trabalhar juntos no campo das obras de caridade. E neste campo, onde conta sobretudo a compaixão, podem se unir a nós tantas pessoas que não se sentem crentes ou que ainda estão em busca de Deus e da verdade, pessoas que colocam no centro a face do outro, em particular do irmão ou da irmã necessitados. Mas a misericórdia ao qual somos chamados abraça toda a criação, que Deus nos confiou para que sejamos protetores, e não exploradores ou, pior ainda, destruidores. Devemos sempre nos propor a deixar o mundo melhor do que como o encontramos (cfr Enc. Laudato si’, 194), a partir do ambiente em que vivemos, por pequenos gestos da nossa vida cotidiana.

Queridos irmãos e irmãs, quanto ao futuro do diálogo inter-religioso, a primeira coisa que devemos fazer é rezar. E rezar uns pelos outros: somos irmãos! Sem o Senhor, nada é possível; com Ele, tudo se torna possível! Possa a nossa oração – cada um segundo a própria tradição – possa aderir plenamente à vontade de Deus, que deseja que todos os homens se reconheçam como irmãos e vivam como tal, formando a grande família humana na harmonia da diversidade.

Fonte: papa.cancaonova.com

logo dizimo

Guia da Noiva

projeto ajudo
localizacao